Peregrina De Paz
SUA VIDA E TRABALHO EM SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS

CAPÍTULO 12

O Caminho de uma Peregrina

UMA VEZ ME PERGUNTARAM: "O que fazem os peregrinos da paz?" Um peregrino da paz ora e trabalha pela paz interior e exterior. Um peregrino da paz aceita o caminho do amor como o caminho da paz, e afastar-se do caminho do amor é afastar-se do caminho de um peregrino da paz. Um peregrino da paz obedece aos preceitos divinos, busca a ajuda de Deus para a própria vida, permanecendo receptivamente em silêncio. Um peregrino da paz enfrenta a vida cara a cara, soluciona seus problemas, busca aprofundar-se para descobrir suas verdades e realidades. Um peregrino da paz não busca a multiplicidade das coisas materiais, porém uma simplificação do bem estar material, tendo o nível de necessidade como a última meta. Um peregrino da paz purifica o templo do corpo, os pensamentos, os desejos, os motivos. Um peregrino da paz renuncia rapidamente à vontade pessoal, ao sentimento de separatividade, a todos os apegos, a todos os sentimentos negativos.

Como se sabe, um peregrino caminha tradicionalmente com fé, sem nenhum meio visível de apoio. Eu caminho até que me ofereçam abrigo. Jejuo até que me ofereçam alimento. É importante que seja dado; nunca peço. Mas sempre me dão!

Tudo o que me dão, eu dou. Deve-se dar se se quiser receber. Deixe que o centro de seu ser seja dar, dar, dar. Você não pode dar demasiado, e descobrirá que não pode dar sem receber. Este tipo de vida não está reservado só para os santos, está disponível para gente pequena como você e eu - se nos esforçarmos em dar a todos.

Minha missão como peregrina é atuar como mensageira expressando verdades espirituais. É um trabalho que aceito alegremente e não aceito nada em troca, nem louvor nem glória, tampouco o resplendor da prata ou do ouro. Simplesmente regozijo-me ao poder seguir os sussurros de uma Vontade Superior.

Tenho muito a oferecer: ocupo-me principalmente em viver de acordo com as leis de Deus. Ofereço aos outros o enfoque místico para Deus, o reino da paz interior. É gratuito, não tem preço.

§

Houve um momento - quando alcancei a paz interior - que morri, cabalmente morri para mim mesma. Desde então, renunciei a minha identidade anterior. Não vejo nenhuma razão para investigarem sobre meu passado; está morto e não deveria ser ressuscitado. Não me pergunte sobre mim - pergunte-me sobre minha mensagem. Não é importante lembrar-se do mensageiro, apenas da mensagem.

§

Quem sou? Não é relevante que saibam quem sou; é de pouca importância. Este traje de argila é o de uma peregrina sem um centavo, que viaja em nome da paz. Aquilo que não se vê é o que é muito importante. Sou alguém que é impulsionada pela força da fé; banho-me na luz da eterna sabedoria; sustenho-me com a energia infinita do universo; esta é na realidade quem sou!

§

Sempre tenho um sentimento de assombro e admiração pelo que Deus pode fazer - valendo-se de mim como instrumento. Acredito que qualquer um que se renda completamente à vontade de Deus será usado como um canal divino - na verdade, saberá algumas coisas - e provavelmente será chamado fariseu. Chamam-nos fariseus quando estamos tão centrados em nós mesmos a ponto de pensar que sabemos tudo - mas também podemos ser chamados fariseus pelos imaturos quando estamos centrados em Deus o bastante para realmente sabermos algumas coisas.

§

Meu desejo é esforçar-me para alcançar a perfeição; estar em harmonia com a vontade de Deus tanto quanto seja possível; viver de acordo com a luz mais elevada que tenho. Não sou perfeita ainda, é claro, mas cresço todos os dias. Se fosse perfeita saberia tudo e seria capaz de fazer tudo; seria como Deus. No entanto, posso fazer tudo o que sou chamada a fazer, e sei que necessito saber para fazer minha parte no Plano Divino. Experimento a felicidade de viver em harmonia com a vontade de Deus para mim.

§

Qualquer elogio que recebo não me afeta, porque passo-o direto a Deus. Caminho porque Deus me dá a força para caminhar, vivo porque Deus me dá a provisão para viver; falo porque Deus me dá as palavras para falar. Tudo o que fiz foi circunscrever minha vontade à vontade de Deus. Minha vida inteira foi preparada para esta empresa. Este é meu chamado. Esta é minha vocação. Isto é o que devo fazer. Não poderia ser feliz fazendo nenhuma outra coisa.

§

Quando comecei minha peregrinação deixei a área de Los Angeles sem um centavo, tendo fé de que Deus me proveria daquilo que necessitasse. Mesmo sem pedir nada, Deus tem me proporcionado tudo no caminho.

Tenho fé em que Deus cuidará de mim, e Deus cobrirá minhas necessidades. Não me sinto insegura de maneira alguma, por não saber onde dormirei esta noite, onde ou quando comerei a próxima vez. Quando se tem segurança espiritual, já não existe o sentimento de necessitar segurança material. Não conheço ninguém que sinta mais segurança do que eu - mas, é claro, as pessoas pensam que sou a mais pobre dos pobres. Porém sei que sou a mais rica dos ricos. Tenho saúde, felicidade, paz interior - coisas que um bilionário não poderia comprar.

§

Faço meu trabalho fácil e gostosamente. Sinto a beleza em tudo o que me rodeia e vejo a beleza em todos os que conheço, porque vejo Deus em tudo. Reconheço minha parte no Plano da Vida e encontro harmonia vivendo-o alegre e jubilosamente. Reconheço minha unidade com todo ser humano e minha unidade com Deus. Minha felicidade redobra ao amar e dar a todos e a tudo.

Pela luz, vou diretamente à Fonte de Luz, não a nenhum de seus reflexos. Também torno possível que me chegue mais luz ao viver de acordo com a luz mais elevada que tenho. Não é possível interpretar mal a luz que vem da Fonte, porque chega com um entendimento pleno, de maneira que podemos explicá-la e comentar sobre ela. Recomendo esse caminho a todo aquele que queira tomá-lo. Grandes bênçãos estão reservadas àqueles que tenham a sabedoria de colocar rapidamente em prática a luz mais elevada que lhes chegue.

§

Aquilo que se recebe de fora pode ser comparado com o conhecimento. Leva a crer, mas raras vezes é suficientemente forte para motivar a ação. Aquilo que se confirma no interior, depois que se contatou no exterior, ou o que se percebe diretamente dentro (tal como é meu caminho), pode ser comparado com a sabedoria. Leva a interiorizar, e a ação se segue a ela.

§

Em meu trato com as pessoas, não as repreendo, não doutrino nem ofereço uma direção. Meu trabalho é despertar a natureza divina que está dentro. Este é meu chamado: abrir as portas da verdade e fazer que as pessoas pensem; desprender os demais de seu estado apático e letárgico, e lograr que busquem por si mesmos a paz interior que mora dentro. Este é o alcance de minha empresa; não posso fazer mais. O resto deixo a cargo de uma força superior.

§

A fé é a crença nas coisas que nossos sentidos não experimentaram e nossa mente não entende, mas com as quais entramos em contato de outra maneira e as aceitamos. É fácil falar da fé; outra coisa é vivê-la. Para mim, a fé demonstra que a gente pode, através da vontade própria, alcançar e fazer contato com Deus; a graça demonstra que Deus está sempre acercando-se de nós. É muito importante para mim permanecer em contato constante com Deus, ou o propósito divino.

As pessoas têm compensado seu empobrecimento espiritual acumulando coisas materiais. Quando as bênçãos espirituais chegam, as coisas materiais parecem pouco importantes. Mas as bênçãos espirituais não chegam até que as almejemos e renunciemos a nossos desejos de coisas materiais. Enquanto ambicionarmos bens materiais, isto é tudo o que receberemos e vamos permanecer espiritualmente pobres.

§

Aqueles que venceram a vontade pessoal e se tornaram instrumentos para fazer o trabalho de Deus, podem lograr obras que são aparentemente impossíveis, mas não experimentam um sentimento de auto-realização. Agora sei que sou uma parte do cosmo infinito, não estou separada das outras almas nem de Deus. Meu eu ilusório está morto; o verdadeiro eu controla o traje de argila - o corpo - e o emprega para a obra de Deus.

§

Quando me pus a caminho, meu cabelo começava a embranquecer. Meus amigos pensaram que eu estava louca. Não houve uma palavra de alento deles. Pensaram seguramente que me acabaria caminhando por todos lados. Mas isso não me perturbou. Simplesmente segui adiante e fiz o que tinha que fazer. Eles não sabiam que tendo a paz interior me sentia conectada à fonte de energia universal, a qual é inesgotável. Houve muita pressão para que transigisse em minhas crenças, mas não seria dissuadida. Carinhosamente, informei a meus bem intencionados amigos, da existência na vida de dois caminhos amplamente divergentes, e do livre arbítrio de todos para fazer sua eleição.

Há um caminho bem desgastado, que compraz os sentidos e gratifica imensamente os desejos, porém não leva a parte alguma; e existe o caminho menos percorrido, o qual requer purificações e renúncias, mas que dá como resultado bênçãos espirituais incalculáveis.

§

Há uma centelha de bondade em todos, não importa quão profundamente possa estar oculta. Isso sou eu em verdade. Quando digo ''eu'', em que estou pensando realmente? Estou pensando no traje de argila, o corpo? Não, isto não sou eu na realidade. Estou pensando na natureza centrada em nós mesmos? Não, isso também não sou eu. O verdadeiro eu é essa centelha divina. Alguns a chamam a Natureza centrada em Deus, outros a Natureza Divina ou o Reino de Deus dentro de nós. Os hindus o conhecem como o Nirvana; os budistas se referem a ele como o Despertar da Alma; os quacres o vêem como a Luz Interior. Em outros lugares é conhecido como O Cristo em ti, a Consciência de Cristo, a Esperança de Glória ou o Espírito que mora em ti. Inclusive alguns psicólogos têm um nome para isso, o superego. Mas todos se referem ao mesmo em diferentes palavras. O importante lembrar é que mora dentro de nós!

§

Não importa o nome que lhe dê; procure expandir sua consciência até que veja o universo com sua natureza centrada em Deus. O sentimento que acompanha esta experiência é o de uma unidade completa com o Todo Universal. O ser funde-se numa euforia de unidade absoluta com toda a vida: com a humanidade, com todas as criaturas da Terra, com as árvores e as plantas, o ar, a água e a própria Terra. Esta natureza centrada em Deus está aguardando constantemente para reger sua vida com glória. Você tem o livre arbítrio para permitir ou não que ela governe e influa em sua vida. A eleição é sempre sua!

De todas as coisas que leiam, de todas as pessoas que conheçam, tomem o que é bom e deixem o resto. Para uma ajuda e para encontrar a verdade é muito melhor buscar a Fonte através de seu próprio mestre interior, do que procurar as pessoas ou os livros. Quando algo dentro de nós diz: "Esta é a verdade. Isto é para mim", então isso se torna parte de nossa experiência. Mesmo que tenham lido todos os livros e ouvido todas as conferências, ainda temos que avaliar o que se aplica a nós. Os livros e as pessoas podem apenas inspirar-nos. A menos que despertem algo dentro de nós, nada que valha a pena será alcançado. Mas se tiverem que ler livros, leiam muitos, para se porem em contato com tantas opiniões conflitantes quantas seja possível. Dessa maneira, terão condições depois de tudo, de formar suas próprias opiniões.

Pensem em todas as coisas boas de sua vida. Nunca enfatizem suas dificuldades. Esqueçam-se de si mesmos e concentrem-se em servir tanto quanto possam neste mundo e então, tendo perdido seu eu inferior numa causa maior que vocês mesmos, encontrarão o eu superior: seu verdadeiro eu.

O que eu digo não é fácil de empreender, mas posso assegurar-lhes que no final de sua jornada espiritual terá valido a pena o preço pago. Há muitos altos e baixos. O esforço é semelhante a estar escalando; cada degrau está um pouco mais elevado que o anterior.

§

Algumas pessoas perguntam-me se aceito ''discípulos''. É claro que não. Não é saudável seguir outro ser humano. Cada pessoa deve encontrar sua própria maturidade. O processo leva tempo, o período de desenvolvimento é diferente para cada indivíduo.

Por quê me olha? Olhe seu próprio eu. Por quê me escuta? Escute seu próprio eu. Por quê acredita no que eu digo? Não acredite em mim ou em qualquer outro professor; melhor é confiar em sua voz interior. Esta é seu guia, esta é seu mestre. Seu mestre está dentro de você, não fora. Conheça-se a si mesmo, não a mim!

Caminhe comigo, mas não me siga cegamente. Apoie-se à verdade, não a minhas vestes. Meu corpo é somente uma construção de barro; hoje está aqui, amanhã terei partido. Se você se prende hoje a mim, que fará amanhã, quando já não estiver com você? Ligue-se a Deus, ligue-se à humanidade, só então estará mais perto de mim.

§

A senda daquele que busca está cheia de ciladas e tentações; ele terá que percorrê-la a sós com Deus. Eu recomendaria que mantenham os pés no chão e os pensamentos elevados nas alturas, de maneira que possam atrair unicamente o bem. Concentrem-se em dar, e estarão abertos para receber; concentrem-se em viver de acordo com a luz que tenham, para que possam abrir-se a mais luz; recebam toda luz possível através da senda interior. Se tal receber lhes parece difícil, busquem alguma inspiração numa linda flor ou numa bela paisagem, numa música bonita ou em algumas belas palavras. Em todo caso, aquilo que se contata desde fora, deve ser confirmado dentro, antes que seja seu.

§

Observe que aquele que faz um ato indigno, na verdade está psicologicamente enfermo, devendo ser considerado com tanta compaixão como o que está fisicamente doente. Lembre-se de que ninguém pode feri-lo, exceto você mesmo. Se alguém lhe faz algo vil, essa pessoa se prejudica. Você não é realmente afetado, a menos que se sinta ressentido ou com raiva e faça também algo vil em troca.

§

Considero-me uma servidora trabalhando na causa das dificuldades: nossa imaturidade. Apenas uma reduzida minoria está disposta a trabalhar na causa. Para cada pessoa que trabalha na causa, há milhares que trabalham nos sintomas. Bendigo os que estão trabalhando a nível exterior para acabar com os sintomas, mas continuo principalmente trabalhando a nível interior para eliminar a causa.

É justamente porque a maioria das pessoas não encontrou seu propósito e função, que experimenta uma dolorosa desarmonia em seu interior e em conseqüência o corpo da humanidade se dirige ao caos. A maioria de nós peca muito mais por omissão do que por ação. ''Enquanto o mundo perece, vamos por nosso caminho: sem propósito, sem entusiasmo, dia após dia".

§

Em meu trabalho elegi o enfoque positivo. Nunca estou protestando contra algo; ao contrário, manifesto-me sempre a favor da vida harmoniosa. Aqueles que se manifestam a favor, apresentam soluções. Aqueles que se manifestam contra, usualmente se aferram no que está mal, recorrendo ao julgamento e à crítica, e algumas vezes inclusive às vaias. Evidentemente o enfoque negativo tem um efeito nocivo na pessoa que o usa, enquanto que o enfoque positivo traz benefícios. Quando se ataca algo ruim, a maldade é mobilizada, mesmo que estivesse fraca e desorganizada anteriormente; o ataque, em conseqüência, lhe dá validade e força. Quando não há ataque, e em seu lugar boas influências são trazidas para resistir à situação, o mal não só tende a desvanecer-se, como que aquele que fez o mal, predispõe-se a ser transformado. O enfoque positivo inspira; o negativo provoca raiva. Quando a gente se enraivece, atua de acordo com seus instintos mais baixos, freqüentemente violenta e irracionalmente. Quando a gente se inspira, atua de acordo com seus sentimentos mais elevados, sensata e racionalmente. Além disso, a raiva é passageira, enquanto que a inspiração algumas vezes tem efeito por toda a vida.

§

Há um critério através do qual podemos julgar se o que estamos pensando ou o que estamos fazendo é ou não adequado para nós. O critério é: Trouxe-lhe paz interior? Se não trouxe, algo está errado com isto - assim, continue buscando! Se o que faz lhe trouxe paz interior, fique com o que acredita que é adequado.

Quando encontramos a paz dentro de nós mesmos, tornamo-nos o tipo de pessoa que pode viver em paz com os demais. A paz interior não se encontra permanecendo na superfície da vida, ou tentando escapar da vida de qualquer maneira. A paz interior se encontra enfrentando a vida cara a cara, resolvendo seus problemas, aprofundando sob a superfície tanto quanto possível para descobrir suas verdades e realidades. A paz interior chega quando se adere estritamente às bem conhecidas leis da conduta humana, tal como a lei de que: os meios determinam o fim: que somente um bom meio pode alcançar um bom fim. A paz interior chega através da renúncia à vontade pessoal, aos apegos, e aos pensamentos e sentimentos negativos. A paz interior chega através do trabalho pelo bem-estar de todos. Somos células do corpo da humanidade - todos nós, no mundo. Cada qual tem uma contribuição a fazer, e saberá em seu interior qual é esta contribuição, e ninguém pode encontrar a paz interior exceto trabalhando, não de uma maneira centrada em si mesmo, mas em favor de toda a família humana.


Select a Chapter

Index|Intro|1|2|3|4|5|6|7|Thoughts|8|9|10|11|12
Appendix I|II|III|IV|V

or
Return to
Peace Pilgrim

Page Created by Bruce Nichols
Last Update 9/10/99