Peregrina De Paz
SUA VIDA E TRABALHO EM SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS

APÊNDICE IV

Poemas, Orações e Canções

A maioria dos seguintes poemas de Peregrina de Paz foi escrita no princípio de sua peregrinação e apareceu num folheto intitulado ''Poemas de Nossos Tempos''. Sua versão das ''Bem-Aventuranças''apareceu num de seus raros boletins de notícias, ''Os Progressos de Peregrina de Paz'' e também nos ''Passos para a Paz Interior''. Paz alegrava-se ensinando canções aos outros; amiúde terminava as reuniões fazendo com que as pessoas se unissem numa vigorosa e feliz interpretação de "Fonte de Amor".

A IGREJA CRISTÃ

Ele disse: "É claro que posso equivocar-me,
    Mas não me surpreenderia
Que este fosse o mais grandioso templo cristão
    Que o homem jamais imaginou.

Nosso órgão é o melhor de todos
    Nosso coro se mantém no tom.
Nossas janelas com vitrais - inolvidáveis
    Nosso púlpito - o melhor que já se viu".

Mas apenas os ricos eram bem vindos ali,
    Ouvia murmurações de calúnia em abundância,
E desse púlpito altamente apreciado
    O pastor glorificava a guerra.

"Há algo mais a desejar de um templo?"
    Com orgulho, ele me disse.
"Só uma coisa", respondi -
    "Cristandade!"

O MUNDO SEM O HOMEM

Ante mim fluía o murmurante rio, sereno.
Ao longe se levantava a arborizada montanha, pacífica.
"O homem diz que este é seu mundo", refleti,
"Não obstante houve tempo em que o homem não existia.
Este velho mundo seria igual sem ele?"
"Eu estava fluindo então", murmurou o rio.
"Eu me mantinha firme", sussurrou a montanha.
"O homem agora'', pensei, "parece disposto à autodestruição".
Inventou milhões de coisas perversas -
Cada uma mais letal que a anterior.
Se triunfar na auto-aniquilação,
Este mundo que diz que é seu, seguirá sem ele?"
"Estarei fluindo ainda", murmurou o rio.
"Manter-me-ei firme", sussurrou a montanha.

FEBRE DE GUERRA

    Essa terrível cegueira -
Que faz que seu adversário pareça um demônio
E que lhe faz parecer um demônio ante ele -
    Febre de guerra!

    Essa horripilante loucura -
Que faz do mesmo ato uma brilhante estratégia para nós
E uma mera perfídia para o inimigo -
    Febre de guerra!

    Essa pavorosa embriaguez -
Que embota a mente até que o errado pareça certo,
O ódio pareça bom, o assassinato uma virtude -
    Febre de guerra!

    Essa horrível enfermidade -
Para a qual não se busca a cura, mas em seu lugar
Se buscam formas de espalhar o mal -
    Febre de guerra!

RECRUTAMENTO

Há muito tempo, quando os homens eram meros bárbaros:
    Escolhiam um homem ou talvez dois, para morrer
    Como sacrifício ao deus da tempestade, Thor.
Mas agora que são civilizados e cristãos:
    Escolhem um ou dois milhões de homens para morrer
    Como sacrifício para o inexorável deus, Guerra.

GUERRA

No amedrontador campo de batalha, onde me forçaram a ir
Conheci um homem que disseram que era meu inimigo -
    E com a espada o trespassei!

Quando a retirei e seu sangue saiu aos borbotões,
Enchi-me de repente de um remorso opressor -
    "Matei um homem!", disse.

Ele era magro, jovem e estava tão assustado como eu,
E não era um demônio como disseram que seria -
    "Enviaram-me para matá-lo!" gemeu ele.

"Por Deus! Quem dera o tivesse feito!" maldisse.
"Bem, nem sequer sei pelo que estou lutando!"
    "Nem eu, tampouco", suspirou ele e morreu.

A VITÓRIA

Em meio à destruição criada pelo homem
    A natureza se move calma.
Em meio dos gritos de morte e o estrondo das armas
    O inverno chega e se vai.

Ao redor do fio de uma arma quebrada
    Delicada relva nova se vê;
Através do olho de um sorridente crânio
    Um botão de ouro está crescendo.

PARA UM OPOSITOR CONSCIENTE

O Mestre olhou o mundo
    Em mil novecentos e setenta e dois,
Encontrou os homens embrutecidos pelo ódio,
    Poucos a Ele eram fiéis,
Viu os homens derramando sangue humano -
    Infligindo dor indescritível.
Escutei o Mestre sussurrando,
    "Para eles falei em vão!"

Mas depois Ele viu de perto um homem corajoso -
    Desprezado, escarnecido e só,
Porque não odiava nem matava,
    Uma prisão era seu lar.
Não tinha intenção de obter riqueza,
    Senão servir seus semelhantes.
Escutei o Mestre sussurrando,
    "Nele, vivo outra vez!"

A COBIÇA

( Uma História dos Homens ou das Nações)

Havia dois homens que tiveram uma disputa
    Sobre uma linha fronteiriça.
Um disse: "Esta terra me pertence!"
    O outro respondeu: "Ela é minha!"

Assim, lutaram e lutaram como duas bestas selvagens;
    Oh! o sangue que se derramou.
Até que um dos homens ficou aleijado para sempre
    E o outro homem morreu!

Então o inválido vivendo na miséria,
    Chorou em seu desespero:
"Que tontos fomos ao ser tão gananciosos!
    Havia suficiente para dividir pelos dois!"

SEU FUTURO

Neste mundo é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado -
Ao seguir nosso caminho
Através de cada novo dia
Criamos nosso futuro segundo vivamos.

AS BEM-AVENTURANÇAS DE PEREGRINA DE PAZ

Bem-aventurados sejam aqueles que dão sem esperar receber as graças, porque eles serão premiados abundantemente.

Bem-aventurados sejam aqueles que traduzem em atos todas as coisas boas nas quais acreditam, porque verdades superiores lhes serão reveladas.

Bem-aventurados sejam os que fazem a vontade de Deus e não pedem para ver os resultados, porque grande será sua recompensa.

Bem-aventurados sejam os que amam e confiam em seus semelhantes, porque eles tocarão o fundo bom das pessoas e receberão uma resposta amorosa.

Bem-aventurados sejam os que viram a realidade, porque eles sabem que não é o traje de argila, mas aquilo que o ativa, que é real e indestrutível.

Bem-aventurados sejam os que vêem essa transição a que chamamos morte como uma libertação das limitações desta vida terrena, porque eles se regozijarão com os entes queridos que façam a gloriosa transição.

Bem-aventurados sejam os que, depois de dedicarem suas vidas, e por meio disto receberem bênçãos, tiverem o valor e a fé para sobrepor-se às dificuldades do caminho a percorrer, porque serão duplamente abençoados.

Bem-aventurados sejam os que caminham para a senda espiritual sem o motivo egoísta de buscar a paz interior, porque eles a encontrarão.

Bem-aventurados sejam os que, em vez de tentar derrubar as portas do reino dos céus, tentam se aproximar delas humildemente, amorosamente e purificados, porque por elas passarão.

ALOHA OE!

(Paz ensinou esta versão da familiar canção havaiana às pessoas que a acompanharam numa viagem especial de inspiração às ilhas em 1980)

Olha esta terra mágica de águas cintilantes
Sente o calor do sol dos Mares do Sul.
Enquanto caminha pelos campos de flores fragrantes
E escuta o som da suave música havaiana...

Aloha O! - Meu amor para ti,
Caminha com bondade por esta terra de sol e de flores.
Aloha O! - Deus te ama também,
E abençoa todos teus passos pelo caminho!

FONTE DE AMOR

Fonte de Amor
Minha origem está em vós -
Amando vossa vontade
Meu espírito é livre -
Dia maravilhoso
Em que todos vejamos
Que a esperança do mundo
É o Amor!

ORAÇÃO DE PAZ POR NOSSO MUNDO CANSADO DA GUERRA

Oh! maravilhoso espírito de bondade, dai-nos o tato, a calma e o alento, e a todos os seres humanos. Toma de nossas atemorizadas mãos a bomba e a baioneta. Arma-nos em seu lugar com a fé. Arma-nos com sabedoria e com amor por onde quer que andemos, em qualquer terra, na vida e não na morte. Sabemos que esta é a vontade do Príncipe da Paz. Amém.


Select a Chapter

Index|Intro|1|2|3|4|5|6|7|Thoughts|8|9|10|11|12
Appendix I|II|III|IV|V

or
Return to
Peace Pilgrim

Page Created by Bruce Nichols
Last Update 9/10/99